Harajuku

Sabe aqueles locais que você é louco para conhecer? Se você gosta de moda de rua e de cultura japonesa, a região de Harajuku, em Tóquio, deveria ser um desses locais.

Localizada ao redor da estação de Harajuku, no bairro de Shibuya – famoso por ser um grande centro de compras –, Harajuku é uma região que ficou bem famosa a partir dos anos 90, por conta da grande quantidade de artistas de rua ou pessoas vestidas de forma extravagante que ali se reuniam.

Hoje o local é um dos grandes centros da moda de rua japonesa, com várias butiques, brechós e lojas de marcas famosas. Estilos como Lolita, Decora e Gyaru nasceram naquele local.

É também um conhecido como um ponto de encontro de jovens japoneses, em razão dos inúmeros cafés, turistas e pessoas que querem se expressar através de suas roupas ousadas e diferentes.

Um beijo e até a próxima.

Malu Chan

O que saber de francês antes de ir à França

torre-eiffelQuando eu fui à Paris (minha primeira viagem internacional!) eu fiquei MUITO ansiosa com a questão da língua. Não saber falar UMA PALAVRA da língua local me deixava com bastante medo (e se alguma coisa desse errado?), especialmente porque sempre ouvimos que franceses não falam inglês e são rudes com turistas.

Então, como boa adolescente dos anos 2000, eu resolvi procurar no Google informações sobre a língua francesa e o relacionamento dos parisienses com o inglês (que até hoje é a única língua estrangeira que eu sei falar – mal e porcamente, digamos de passagem).

O primeiro mito que eu consegui desbancar com essa pesquisa foi que franceses (especialmente parisienses) não falam inglês.

A lógica me pareceu bem razoável: Paris é uma das cidades mais visitadas do mundo (em 2014, ela ficou em 5º lugar no ranking das cidades que mais receberam visitantes, segundo essa reportagem da BBC). Como tal, é impossível que as pessoas que ali estão (especialmente aquelas com quem você, turista, mais deve interagir – vendedores, guardas, taxistas, etc) não falem ao menos inglês ou outra língua estrangeira. É disso que as pessoas vivem! Elas precisam se comunicar com quem vem de fora!

O segundo mito que eu desbanquei (com a ajuda tanto do Google quanto da minha professora de francês da época) foi a ideia de que franceses tratam turistas de forma grosseira.

A verdade (até onde eu entendi) é que eles são bem “cri-cri” com a educação e também são MUITO nacionalistas. Ou seja, eles amam a própria língua. (E talvez não gostem muito do inglês por uma questão história, vai saber…)

Então… o que acontece quando você junta esses dois fatores com um turista desavisado que sai por aí interpelando pessoas em inglês no meio da rua?

Franceses rudes.

Pois é.

A minha experiência pessoal me provou que eles não se importam de falar inglês com você, desde que não demonstre que é obrigação deles falar inglês com você.

Baseada nessa experiência eu acredito poder dizer que, fazendo um mínimo de esforço para aprender algumas palavras e frases em francês, os seus anfitriões vão ser muito mais legais com vocês do que eles seriam se você se aproximasse falando inglês.

(Juro! Até minha mãe, que não fala nada que não seja português conseguiu ser atendida por lá com educação!)

E foi pensando nisso que eu decidi fazer uma lista com as seis palavras/expressões/frases que eu acredito que você vá precisar na sua viajem para Paris.

1) Bonjour = Bom Dia (Que você pode usar tranquilamente em qualquer horário do dia ou da noite. Sou daquela opinião que você já está fazendo um esforço, eles também podem fazer um esforço de te entender.)

2) Madam/Monsieur = Senhora/Senhor (Lembra que eu falei que franceses são chatos com essa coisa de educação? Pois então, chame todo mundo de Senhor ou Senhora.)

3) Pardon/Excusez-moi = Desculpe/Com Licença (Eu sempre tenho a impressão que os dois podem ser entendidos tanto como “desculpe” quanto como “com licença”.)

4) Merci = Obrigada (É a palavra mais fácil de todas. Aprenda!)

5) Je ne parle pas france = Eu não falo francês (A expressão é um pouco maior do que as outras, mas vale a pena deixar claro que você é um turista meio perdido.)

6) Parlez-vous anglais/portugais/espagnol? = Você fala inglês/português/espanhol? (Ou escolha outra língua e seja feliz!)

Se você quer ter certeza de como essas palavras/expressões são pronunciadas, o vídeo abaixo mostra a pronúncia (mais ou menos) correta de todas elas.

Um beijo e até a próxima.

Malu Chan

União Europeia e Acordo de Schengen

Quem viaja para a Europa costuma ter em mente duas coisas: “preciso comprar Euro para usar” e “posso viajar para vários países com facilidade”. As duas afirmações são parcialmente verdades, mas o turista precisa ficar atento para algumas coisas.

karta_över_europaNem todo país da Europa usa o Euro.

E muitas vezes você precisa de passar por mais de uma alfândega durante a sua viagem (o que pode, sim, lhe dar problemas).

Por conta disso, eu resolvi fazer esse post (e o vídeo abaixo) de forma a explicar melhor as diferenças entre Europa, União Europeia, Zona do Euro e Acordo de Schengen.

Em primeiro lugar, temos que entender que “Europa” é só uma divisão política (feita há uns 25 milhões de anos) e se refere a um dos seis continentes do mundo. Atualmente, o continente europeu possui 50 Países (ou Estados) Soberanos, que são: Albânia; Alemanha; Andorra; Arménia; Áustria; Azerbaijão; Bélgica; Bielorrússia; Bósnia e Herzegovina; Bulgária; Cazaquistão; Chipre; Croácia; Dinamarca; Eslováquia; Eslovênia; Espanha; Estónia; Finlândia; França; Geórgia; Grécia; Hungria; Irlanda; Itália; Islândia; Letônia; Liechtenstein; Lituânia; Luxemburgo; Macedónia; Malta; Moldávia; Mónaco; Montenegro; Noruega; Países Baixos; Polónia; Portugal; Reino Unido; República Checa; Roménia; Rússia; San Marino; Sérvia; Suécia; Suíça; Turquia; Ucrânia; e Vaticano. Além disso, temos também 6 Estados que não possuem reconhecimento internacional (ou são reconhecidos como Estados somente por alguns países) e 8 territórios dependentes (ou seja, que fazem parte de algum dos Estados Soberanos).

804676Dentro dessa continente, 28 países resolveram se unir em um acordo político-econômico
chamado de União Europeia (ou UE para os íntimos) que facilita a comunicação entre os países e a circulação de mercadorias e pessoas. Esses países são: Alemanha; Áustria; Bélgica; Bulgária; Chipre; Croácia; Dinamarca; Eslováquia; Eslovênia; Espanha; Estónia; Finlândia; França; Grécia; Hungria; Irlanda; Itália; Letônia; Lituânia; Luxemburgo; Malta; Países Baixos; Polónia; Portugal; Reino Unido; República Checa; Roménia; e Suécia.

(OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: em 23/06/2016, a população do Reino Unido votou pela saída da União Europeia. Ainda faltam os procedimentos para que a saída de fato ocorra, portanto a Terra da Rainha ainda é membro da UE – mas logo não será.)

Um dos acordos feitos DENTRO DA UE é a chamada Zona do Euro – ou seja, alguns países da UE adotaram como moeda oficial o Euro. São eles: Alemanha; Áustria; Bélgica; Chipre; Eslováquia; Eslovênia; Espanha; Estónia; Finlândia; França; Grécia; Irlanda; Itália; Letônia; Lituânia; Luxemburgo; Malta; Países Baixos; e Portugal.

Tradução: nem todos os países da União Europeia adotam o Euro (a Dinamarca, por exemplo, adota a coroa dinamarquesa). Por isso, se você estiver indo viajar para lá, é bom ficar atento para qual país você vai e qual é a moeda oficial daquele lugar.euro-banknotes-five-up-to-five-hundred-1270341

Por fim, um outro ponto que eu acho válido comentar, é a existência do Acordo de Schengen, elaborado entre vários países da Europa e que garante a livre circulação de pessoas entre eles. Isso quer dizer que, se você estrou em um país integrante desse acordo (com ou sem a necessidade de visto), você (muito provavelmente) vai transitar entre os outros países sem a necessidade de entrar novamente na fila da alfândega. São integrantes desse acordo: Alemanha; Áustria; Bélgica; Dinamarca; Eslováquia; Eslovênia; Espanha; Estónia; Finlândia; França; Grécia; Hungria; Itália; Islândia; Letônia; Liechtenstein; Lituânia; Luxemburgo; Malta; Noruega; Países Baixos; Polónia; Portugal; República Checa; Suécia; e Suíça.

(É claro que é sempre bom ficar atento: se os seguranças no aeroporto ou estação de trem acharem que você está com uma “atitude suspeita”, eles ainda têm o direito de te barrar ou de pedir para revistar a sua mala.)

Como eu disse lá no começo, todas essas coisas podem influenciar em como a sua viagem para a Europa vai ocorrer.

Um exemplo prático: você decidiu fazer um mochilão pela Europa e vai visitar Paris (FR), Londres (UK), Copenhagen (DIN), Dublin (IRL) e Lisboa (POR).

Com todas as informações que eu te dei você pode entender que:

 

Cidade/País Euro? Schengen?
Paris/FR Sim Sim
Londres/UK Não Não
Copenhagen/DIN Não Sim
Dublin/IRL Sim Não
Lisboa/POR Sim Sim

 

Olhando o quadro, você percebe que se você viajar nessa ordem Paris (FR) – Londres (UK) – Copenhagen (DIN) – Dublin (IRL) – Lisboa (POR), vai ter que passar pela imigração TODAS as vezes (serão 5 alfândegas). E quanto mais alfândegas você passa, maior a chance de alguém não ir muito com a sua cara e da sua viagem dar algo errado. A melhor forma de se viajar é colocar Paris, Copenhagen e Lisboa juntas no seu “pacote” de viagem, pois assim você diminui o número de imigrações pelos quais você deverá passar.

Além disso, é preciso notar que Londres e Copenhagen não aceitam o Euro, por isso o viajante deve ficar atento para levar as quantidades certas das moedas certas.

Espero que tenha ajudado de algo!

Um beijo e até a próxima.

Malu Chan